Chefs Pelo Mundo

Chefs Pelo Mundo

Antes de eu chegar aqui em Roma no ano de 1997, era inevitável não pensar na gastronomia italiana como simplesmente um belo e maravilhoso prato de macarrão com muito molho de tomates, não que isso esteja errado, mas por aqui é tudo muito mais rico e completo. A Itália tem o poder de nos encantar e fascinar com toda a sua riqueza gastronômica. Aqui tudo vai muito mais além do simples espaguete ao molho.

Cada região por aqui tem muito orgulho de suas tradições e pratos típicos, preparados deliciosamente à moda da vovó, e diga-se de passagem, as vovós arrasavam na cozinha e passaram todos os seus segredos para toda família. A maioria dos restaurantes aqui passam de pais para filhos, mantendo assim a tradição e qualidade por muitos e muitos anos.

Brusquetas, risotos, massas recheadas, lasanhas e suas infinidades de doces, entre eles o nosso tão tradicional panetone, imprescindível nas festas natalinas.

O italiano consegue fazer uma verdadeira obra de arte em seus pratos, carnes ou peixes, tudo é perfeito e como uma grande peça teatral, uma ópera, com 1, 2 e 3 tempos, cada um com uma entrada e apresentação diferente e deliciosa.

Misturar? Nunca! Tudo tem seu tempo certo para ser degustado, acompanhado de um excelente vinho DOC. Sentamos à mesa por horas, cada prato tem seu momento de brilhar, seu show particular. Uma simples brusqueta, aquela tradicional, tomates e manjericão ou entradas que foram mais elaboradas com o passar do tempo, não importa, basta que tenham sido preparadas com um bom óleo de oliva extra virgem. Outra entrada muito querida por aqui é mozarela de búfala de boa qualidade acompanhada com presunto cru, que de norte à sul da Itália é muito requisitada. Como primeiro prato, entram as massas (pastas como são chamadas aqui) ou risotos, cada um desses pratos traz para a mesa uma beleza indescritível, um sabor único, que só aqui se consegue sentir, aquele encanto que me referi no início.

Moro em Roma e por aqui as massas romanas, as de uma época pobre, as “casereccia” são as queridinhas dos romanos, como as rainhas carbonara, amatriciana, cacio e pepe, gricia e a simples e popular alho e óleo e pimenta.

Por último e finalizando, entram os segundos pratos com carnes ou peixes, dependendo da base do menu escolhido, que podem ser servidos junto com contornos ou não, como por exemplo, verduras grelhadas ou repassadas no alho e óleo e pimentinha a gosto, saladas ou batatinhas ao forno com alecrim ou fritas. Momento final do espetáculo gastronômico, as sobremesas entram em cena com os doces mais populares como tiramisù, panna cotta, semifreddo, ou um simples sorbetto al limone(tacinha de sorvetinho líquido de limão, que é também como um digestivo) Acabou? Ainda não! Chegou a hora do café ou um bom licorzinho para finalizar em grande estilo, uma grappa, um limoncello ou amaro.

Todo bom jantar é como um grande show que no final deixa sempre aquele gostinho de quero mais e a Itália tem esse poder de nos deixar fascinados e esquecer para sempre aquele macarrãozinho com molho de tomatinhos, que eu imaginava antes de conhecer tudo aqui. Tudo isso enriqueceu muito a minha profissão, me abriu portas e me deixou ainda mais apaixonada por essa terra linda, que eu amo desde que aqui cheguei, independente de eu ser uma descendente italiana, com avós paternos, um de Nápoles e outro da Calábria. Vim passar 3 meses de férias e estou por aqui há 22 anos.

Hoje sou uma personal chef de cozinha, que além das nossas delícias brasileiras, me especializei nas delícias made in Italy. Se um dia você tiver a oportunidade de conhecer essa terra rica e linda, tenho certeza que irá adorar, e como eu, vai também retornar ao Brasil com uma ideia completamente diferente em relação a todos os domingos brasileiros de macarronadas da mamma!

Por Ana Paula Moreira

No Comments

Leave a Comment

Your email address will not be published.